Atendimento: Segunda à Sexta das 9:00h às 18:00h | Whats: (11) 99609-6601

Regulamentos de Tráfego Aéreo, qual a melhor forma de aprender, manuais ou livros?

Refreshment de Regulamento de Tráfego Aéreo

Aprender Regulamentos de Tráfego Aéreo é uma necessidade e um desafio para qualquer piloto. São muitas informações e diversos manuais oficiais, nacionais e internacionais, dispostos em linguagem técnica e não didática, exigindo tempo e habilidade para garimpar a informação necessária para aquele momento.

Diante do exposto surgem algumas dúvidas, como por exemplo: qual a melhor forma de estudar Regulamentos, nos manuais ou em livros? Quais as informações que preciso ter para poder escolher um bom livro de Regulamentos? Nesse texto abordaremos essas e outras questões que envolvem a melhor forma de estudar regulamentos.

Quando se decide dar os primeiros passos para ser um piloto profissional o candidato enfrenta o desafio de aprender cinco matérias teóricas: Regulamentos de Tráfego Aéreo, Navegação Aérea, Meteorologia, Conhecimentos Técnicos e Teoria de Voo. Cada uma delas tem sua complexidade e sua peculiaridade. Porém, uma dessas matérias ele precisará estudar e fazer provas anuais durante toda sua carreira como piloto, estou falando de Regulamentos de Tráfego Aéreo.

O estudo de Regulamento de Tráfego Aéreo não é fácil, é uma matéria árida com muitos conceitos, muitas siglas, vários tipos de espaço aéreo, tipos de serviços ATS (Serviços de Tráfego Aéreo), etc. São muitos manuais, impressos, documentos oficiais que contém essas informações e a impressão que se tem quando lemos esses documentos é que as informações não se conectam.

Fig_02_08

Mas, apesar de desafiadora essa matéria é extremamente importante, pois é na regulamentação de tráfego aéreo que são pautadas as decisões durante o voo. Por esta razão as autoridades aeronáuticas a colocam em alta conta, exigindo inclusive provas anuais e condicionando o resultado da provação à revalidação do seu Certificado de Habilitação Técnica (CHT).

E, quando entendemos que essa matéria seguirá e pautará toda a carreira do piloto pensamos no desafio que é estuda-la de forma correta, e aí nos questionamos: Como extrair as informações de maneira clara e, porque não, mais prazerosa, melhorando assim o aprendizado? Como reunir essas informações de forma didática? Devemos estudar pelos manuais ou por livros?

Sem dúvida nenhuma, seja qual for licença que o piloto possua, ele deve aprender a manusear e usar as publicações oficiais. Porém, se contabilizarmos as publicações do DECEA e somente as que têm interesse direto com tráfego aéreo, chegaríamos a um total de 676 publicações, (234 ICAs, 87 MCAs, 24 CIRTRAFs, 83 CIRCEAs e 248 AICs), sem falar no AIP-Brasil, no ROTAER e em todas as cartas aeronáuticas.

Fig_09_03

Além do tempo investido para organizar as informações, da linguagem técnica e do conteúdo nada didático acredito que o desafio de aprender desta forma torna-se uma missão impossível.

Afinal de contas, as normas, manuais, instruções, não têm como objetivo ser didáticos e não possuem uma ordem sequencial, em outras palavras, não tem a preocupação de ensinar. Seu intuito básico e primordial é informar da maneira mais completa possível.

O que se constata diante deste fato é que fica impraticável para o aluno que está se preparando para fazer as provas da ANAC, consultar todas essas publicações. Lembrando ainda que muitas informações se repetem, algumas são de interesse do sistema de controle de tráfego aéreo e não propriamente do piloto, neste caso normalmente não alvos de questões nas provas da ANAC. É claro que com o tempo o piloto vai adquirir experiência suficiente para localizar informações que lhe interessem naquele momento ou circunstância.

Por tudo isso um bom livro de Regulamentos de Tráfego Aéreo fará diferença, principalmente no início da carreira quando é necessário adquirir os fundamentos basilares que nortearão sua compreensão e o aprendizado. E para ser considerado um bom livro ele precisa estar atualizado, possuir uma linguagem didática, figuras para facilitar a compreensão, estar referenciado nas publicações nacionais e internacionais, e possuir questões dívidas por assunto para fixação sequencial.

Um bom livro de Regulamentos deve orientar os leitores de como e onde buscar as informações, de como pesquisar, levar o aluno a entender qual o mecanismo de construção das normas, facilitando assim sua compreensão, ou seja, possuir referencia bibliográfica indicando de qual manual foi retirada aquela informação.

Fig_09_02

Isto posto, me sinto privilegiada de fazer parte do projeto de dois livros de Regulamentos que estão se consagrando no mercado como referência no assunto, são eles: Regulamentos de Trafego Aéreo Para Piloto Privado e o mais novíssimo lançamento da Editora Espaço Aéreo, Refreshment de Regulamentos de Tráfego Aéreo (PC/IFR/PLA – Avião e Helicóptero).

Os livros são recheados de figuras exclusivas, de referências, não só da legislação nacional, mas também da documentação da ICAO, exemplos práticos para a consolidação do aprendizado e um CD interativo com mais de 600 questões atualizadas para que o leitor se prepare para as provas da ANAC.

No livro Refreshment o autor, o Prof. Soares, afirma que além do propósito de ensinar, por meio de uma linguagem clara e objetiva, ele também buscou transmitir o cerne, a ideia central da regra de tráfego aéreo, com o auxílio de imagens tridimensionais que foram especialmente desenhadas para que o aluno pudesse, por exemplo, visualizar a estrutura do espaço aéreo.

 

No texto do livro muitas palavras foram sublinhadas com o objetivo de destacar informações importantes e também porque são alvos de questões nos exames da ANAC.

Ao ser indagado sobre por que existem dois livros de regulamentos, um para piloto privado e outro para o piloto comercial/IFR, o autor explica que a ANAC estabelece um conteúdo programático para cada licença específica. E quando o aluno avança para o curso de piloto comercial e IFR, todo conteúdo adquirido no piloto privado (VFR) será necessário para dar continuidade no aprendizado que envolve o voo IFR, lembrando ainda, que os assuntos são cumulativos e podem ser cobrados em qualquer prova.

O Prof. Soares recomenda muita cautela, especialmente ao aluno principiante que vai iniciar seus estudos de regulamento de trafego aéreo. O ideal é começar por um livro que aborde com exclusividade as partes genéricas da regulamentação e o voo visual. Começar os estudos de regulamentos misturando os conceitos de VFR e IFR, no principio pode comprometer o aprendizado, além disso, o aluno não saberá separar as informações que deve estudar para a prova de piloto privado.

Ele defende ainda que sem uma boa fundamentação nos regulamentos de tráfego aéreo o aluno tende a simplesmente decorar as regras, isso poderá causar um dano irreparável ao longo de toda sua carreira como piloto. E isso o desafiou a fazer um material atualizado, de qualidade, com informações acessíveis, figuras claras, referencias e separados em dois volumes PP e PC/IFR.

Em seu livro Regulamentos de Tráfego Aéreo para Piloto Privado – Avião e Helicóptero o leitor terá tudo o que necessita para uma boa fundamentação e a realização das provas da ANAC. É apropriado para quem for realizar provas de PP de avião ou helicóptero, pois atende integralmente o conteúdo programático exigido pela ANAC.

No livro Refreshment de Regulamentos de Tráfego Aéreo ele ministra os regulamentos de tráfego aéreo de maneira completa onde aborda o voo VFR juntamente com o voo IFR, mostrando como se dá essa convivência harmônica. É apropriado para quem for realizar provas de PC-IFR-PLA de avião ou helicóptero, pois atende integralmente o conteúdo programático exigido pela ANAC, ou ainda para os pilotos que busquem estar atualizados.

Adquira o seu livro com o preço especial de lançamento, clicando aqui! Aproveite, que este preço é por tempo limitado.

Edna Costa

0 Comentários

Deixe uma resposta